igh" allowscriptaccess="samedomain Reflexões Presentes: Agosto 2009

domingo, 30 de agosto de 2009

Toda enfiada

Em meio a era globalizada, me preocupa saber que somos tão irracionais. Mulheres que dantes eram contra todo e qualquer tipo de rotúlos, pré-conceitos e abusos, hoje aplaudem o ridículo, veneram a baixaria, e dão de ombros para a moral e a ética.
O vídeo da professora que dançou "toda enfiada" correu o mundo e virou debate em mesa de bar. Cá entre nós, há coisas mais importantes para se discutir. O mundo está em crise, a fome devora milhões, e a falta de educação também. Paremos de idolatrar homens que não se importam com o nosso bem estar físico e moral, que preferem fazer "sucesso" às custas de mulheres ignorante que são igualadas a cadelas no cio que ainda pagam para ver.

"O homem deixou de respeitar a si mesmo quando perdeu o respeito por seu semelhante."

Fonte: http://blogdamarlla.blogspot.com/

sábado, 22 de agosto de 2009

"Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra."

Parece-nos melhor sermos guerreiros vitoriosos, a sermos mansos. A palavra mansidão dá a idéia de rendição, sendo que no original a palavra "manso" significa "ser moldado".
Ser manso é ser totalmente submisso ao plano divino, é colocar um ponto final em nosso conflito interno: vontade pessoal e imperfeita X a vontade dAquele que estipulou as regras do jogo e sempre vence.
Os mansos que se rendem a Deus, são filhos obedientes que possuirão a herança.
A mansidão do bem-aventurado consiste em aceitar a vontade de Deus, sem se preocupar com as conseqüências.

"Bem aventurados os que choram, porque serão consolados."

O pranto que receberá consolo não são as lágrimas so pessimista, que se só consegue ver o lado negativo de tudo, nem do rebelde que se amargura com suas perdas, nem sequer do egoísta que chora somente por seus próprios problemas, tão grandes à sua vista.
O choro deve nos estristecer a ponto de não sossegarmos enquanto não nos achegarmos à Deus em busca de perdão e consolo. Hoje, preferimos palestras motivacionais a sermões que fazem doer nossos calos. Queremos a benção, mas sem sacrifícios, sem dor e, portanto, sem lágrimas.
Assim, não buscamos o colo de um Pai amoroso, que espera um coração contrito e quebrantado, para então abrir os braços e mudar nosso coração!
O choro do bem-aventurado consiste em encontrar o Senhor para aquietar sua alma.

Somos Bem-aventurados

Interpretamos a expressão "bem-aventurado" como "felizes", porém é mais que isso.
O que ela proprõe é uma identificação com Deus. As caracteristicas de quem busca uma vida de bem-aventuranças são qualidades do próprio Pai. É daí que provem a alegria plena, uma felicidade celestial, ela vem da certeza de estarmos seguindo os passos trilhados por Jesus, que nos garantem entrada em Seu Reino. A vida cristã não é se autonegar na terra em busca de um pouco de alegria no céu. O Reino de Deus não é um lugar aonde chegar, um bem a alcançar, o Reino de Deus já nos foi dado. É uma experiência de vida e santidade que começa aqui e agora.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

O pastor chamado e o chamado pastor


Por Geraldo Magela, Pr.

O pastor chamado ama gente, o chamado pastor ama dinheiro e fama.O pastor chamado prega com paixão, o chamado pastor prega.

O pastor chamado é feliz, o chamado pastor vive mau-humorado.

O pastor chamado tem visão, o chamado pastor imita as muitas visões.

O pastor chamado cuida das ovelhas, o chamado pastor abusa das ovelhas.

O pastor chamado tem casa, o chamado pastor tem mansão.

O pastor chamado liberta, o chamado pastor tiraniza.

O pastor chamado é acessível, o chamado pastor é inalcançável.

O pastor chamado prega de graça, o chamado pastor cobra para pregar.

O pastor chamado tem ovelhas, o chamado pastor tem fãs.

O pastor chamado chama para Cristo, o chamado pastor atrai para si.

O pastor chamado ensina, o chamado pastor exibi-se.

O pastor chamado erra, o chamado pastor é perfeito.

O pastor chamado tem medo, o chamado pastor mete medo.

O pastor chamado chora, o chamado pastor se vinga.

O pastor chamado é inconformado, o chamado pastor é alienado.

***Enviado por Daniel Grubba, editor do Soli Deo Glória e colaborador do Púlpito Cristão

Clodovil conhecia a verdade


Por: Pr. Gilson Bifano
Faleceu no dia 17 de março o deputado Clodovil Hernandes. Clodovil foi uma personalidade muita conhecida no Brasil. Estilista e apresentador de televisão, Clodovil ficou mais conhecido por suas declarações controvertidas e por assumir publicamente sua homossexualidade.
O que sempre mais me chamou a atenção em Clodovil não foi em relação à sua homossexualidade, mas suas posições em relação ao movimento homossexual. Por incrível que pareça, o movimento Gay nunca pode contar com Clodovil em suas campanhas e passeatas.
Certa vez ao participar de uma manifestação liderada pelo movimento gay foi vaiado por defender a família e ter declarado que todos deveriam buscar a Deus. Na ocasião até citou o valor da heterossexualidade porque sem ela ninguém ali presente teria nascido.
Recentemente, uma entrevista publicada na Veja, feita poucos dias antes de sua morte, o reporter perguntou: “Por que o senhor não apresentou nenhum projeto defendendo o direito dos homossexuais?”.
Clodovil respondeu: “Deus me livre. Quais direitos? Direito de promover passeata gay? Não tenho orgulho de transar com homem. O primeiro homem que eu vi transando com outro foi meu pai - era o meu tio, irmão da minha mãe. Eu tinha 13 anos. Foi num domingo, depois da missa. Sentei no chão e pensei: meu Deus, minha mãe não é amada por ninguém. Meu pai nunca soube que eu vi. Quando ele me perguntou dois anos depois se eu era gay, não respondi. Nunca mais se falou sobre isso lá em casa. Mas eu podia ter dito o diabo para ele”.
É por isso que o movimento Gay nunca pode contar com Clodovil para defender suas nefastas posições.
É uma pena que Clodovil nunca tenha tido força para superar seus traumas familiares adquiridos na infância, traumas esses que tiveram um grande impacto na formação de sua sexualidade.
Foi forte para dizer que não tinha orgulho em ter relações sexuais com homens, mas podia ter ido além e resgatar, com lutas, é verdade, sua heterossexualidade. Procurou ver a questão heterossexual de uma outra forma. Quando soube que estava com câncer de próstata afirmou:
“Acho que aquilo aconteceu como uma forma de eu tentar me redimir da minha homossexualidade”. Uma leitura errada, mas que nos abre uma janela para entender seus conflitos internos.
Quando lemos essas e outras declarações só podemos fazer crescer nossa posição de entender, amar e ajudar aqueles que lutam com as questões da homossexualidade.
Por outro lado, tais declarações nos ajudam entender o que está por detrás daqueles que vivenciam a homossexualidade.
Como igreja não podemos, de forma alguma, descriminar pessoas que vivenciam a homossexualidade, mas amá-las profundamente.
Entender questões envolvendo a homossexualidade é um dos grandes desafios da igreja nos dias de hoje. Certamente, as declarações de Clodovil, hão de contribuir para uma ação da igreja, seja no processo da formação da identidade sexual como no processo de ajudar àqueles que desejam resgatar a heterossexualidade.