igh" allowscriptaccess="samedomain Reflexões Presentes: Março 2011

segunda-feira, 21 de março de 2011

Um Templo ou um Teatro?

Os homens parecem nos dizer: "Não há qualquer utilidade em seguirmos o velho método, arrebatando um aqui e outro ali da grande multidão. Queremos um método mais eficaz. Esperar até que as pessoas sejam nascidas de novo e se tornem seguidores de Cristo é um processo demorado. Vamos abolir a separação que existe entre os regenerados e os não-regenerados. Venham à igreja, todos vocês, convertidos ou não-convertidos. Vocês têm bons desejos e boas resoluções: isto é suficiente; não se preocupem com mais nada.

É verdade que vocês não crêem no evangelho, mas nós também não cremos nele. Se vocês crêem em alguma coisa, venham. Se vocês não crêem em nada, não se preocupem; a 'dúvida sincera' de vocês é muito melhor do que a fé".

Talvez o leitor diga: "Mas ninguém fala desta maneira". É provável que eles não usem esta linguagem, porem este é o verdadeiro significado do cristianismo de nossos dias. Esta é a tendência de nossa época. Posso justificar a afirmação abrangente que acabei de fazer, utilizando a atitude de certos pastores que estão traindo astuciosamente nosso sagrado evangelho sob o pretexto de adaptá-lo a esta época progressista.

O novo método consiste em incorporar o mundo à igreja e, deste modo, incluir grandes áreas em seus limites. Por meio de apresentações dramatizadas, os pastores fazem com que as casas de oração se assemelhem a teatros; transformam o culto em shows musicais e os sermões, em arengas políticas ou ensaios filosóficos. Na verdade, eles transformam o templo em teatro e os servos de Deus, em atores cujo objetivo é entreter os homens. Não é verdade que o Dia do Senhor está se tornando, cada vez mais, um dia de recreação e de ociosidade; e a Casa do Senhor, um templo pagão cheio de ídolos ou um clube social onde existe mais entusiasmo por divertimento do que o zelo de Deus?

Ai de mim! Os limites estão destruídos, e as paredes, arrasadas; e para muitas pessoas não existe igreja nenhuma, exceto aquela que é uma parte do mundo; e nenhum Deus, exceto aquela força desconhecida por meio da qual operam as forças da natureza. Não me demorarei mais falando a respeito desta proposta tão deplorável.

Charles Haddon Spurgeon (1834 - 1892)

terça-feira, 8 de março de 2011

A IGREJA - UM EXTRAORDINÁRIO MILAGRE DE DEUS!

Para muitos quando nos referimos à igreja tem-se a, natural, perspectiva de que se trata de um luxuoso Templo, ou de uma poderosa instituição que congrega milhares de adeptos tão fieis que seriam capazes de dar suas vidas pela causa da Instituição.

Eu também participei de tal conceito, e confesso que não é fácil livrar-nos de tal idéia, mas a palavra de nosso Deus é a única esperança que temos de liberdade total! Isto não inclui somente dos erros doutrinários e administrativos, mas de quaisquer sofismas e mitos que através dos anos nos foram sendo impregnados em nossa mente.

Nunca passou pelo meu pensamento quão distante eu estava do verdadeiro e “espinhoso” caminho pelo qual tem que trilhar os adoradores do Único e Verdadeiro Deus, tão bem visível em Sua Palavra, para os que O buscam em verdade e com sinceridade de coração, mas tão oculto para os que se encontram confiantes por defenderem com tanto ardor os sofismas das Instituições religiosas, com os quais se encontram envolvidos até a alma!

É compreensível que se Deus colocasse todos os caminhos de forma clara e indubitável, certamente não haveria espaço para o exercício da fé, dom indispensável para que o pecador possa expor de forma tão clara ao mundo e ao universo sua inequívoca vontade de seguir, servir e adorar ao Deus da Bíblia!

Ontem, conversando com um admirável e fiel cristão, ele me questionava sobre o porquê de os grupos de “leigos” que deixaram a igreja, serem tão difusos em seus posicionamentos doutrinários, pois enquanto alguns acreditam no dom profético, outros de forma clara o rejeitam, alguns crêem na doutrina do Santuário e do Juízo investigativo enquanto que muitos rejeitam tal ensino, etc.?

Este tem sido para muitos adoradores do Deus Único, “o calcanhar de Aquiles”, ou “a pedra de tropeço”, mas para o que consegue discernir os espíritos, isto tem sido a prova de que estamos no caminho certo! Pois um dos principais dons concedido pelo Criador as suas criaturas tem sido o dom da LIBERDADE, ou livre arbítrio, o qual é indispensável para a existência do dom maior que é o amor.

A definição bíblica para igreja encontra-se estampada em vários versículos espalhados por diversos livros das Escrituras, mas o mais simples e profundo foi aquele pronunciado por Jesus em Mateus 18:20 “Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.”

Percebam que em sua definição Jesus não procurou dar ênfase ao lugar (Pois onde se acham), isto é, não há a menor importância com referencia ao lugar, se é um magnífico prédio, ou uma humilde choupana, ou mesmo se embaixo de algumas arvores etc. Se este lugar e registrado como propriedade de uma organizada Instituição religiosa ou se é simplesmente na residência de uma humilde alma pecadora!

Outro aspecto que para Jesus não tem tanta importância é a quantidade de adeptos (dois ou três) Ele não mencionou muitos, milhares, milhões etc. Não que Jesus despreze as multidões, mas que não é a maioria prova de Sua presença entre eles.

O que afinal Jesus valoriza em Sua Igreja? Ele valoriza o objetivo de nos reunirmos em grupo, isto é, qual a motivação que nos leva a congregar-nos (reunidos em meu nome). Está você querido irmão se reunindo em nome de Jesus ou em nome de uma Trindade?

A coisa mais maravilhosa que encontramos na definição que Jesus deu a Igreja foi a Sua extraordinária promessa de estar conosco (aí estou eu no meio deles.), e é exatamente isto que nos identifica como Igreja (povo) de Deus, por isso querido “leigo” ou “bereano” não permita que nenhum sentimento possa atrapalhar sua percepção da presença de Jesus em nosso meio, e descanse na promessa que Ele fez em Lucas 12: 32 “Não temas, ó pequeno rebanho! porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino.” ALELUIA!

Heráclito Fernandes da Mota

Fonte: http://www.adventistas-bereanos.com.br/