igh" allowscriptaccess="samedomain Reflexões Presentes: 2010

domingo, 26 de dezembro de 2010

O vazio do "Deus é um só"


Muitas vezes eu ouvi dizer que Deus é um só. Que o Deus católico é o mesmo Deus dos adventistas, dos assembleianos, dos batistas, etc e tal, mas acabei descobrindo que tudo isso é baboseira! Tudo isso são mentirinhas que nos contam para aceitarmos o "deus multilíngue"!
Isso não existe!!! Em pleno século XXI, tem alguém que ainda acredita em papai noel?
Deus não se divide, Ele é um Deus, que fala somente uma língua: a dEle! Ele não pode ir contra Ele mesmo!
"Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo." 2 Timóteo 2:13;
Deus definitivamente não é multilígue! Se Deus diz que o sábado ainda é o dia do Senhor, e que devemos observá-lo, e depois Ele diz que o dia em que o nosso Salvador ressussitou é que deve ser o dia do senhor, existe aí uma clara contradição, ou não?

"Não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos de homens que se desviam da verdade." Tito 1:14

"Em vão, porém, me honram, Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens."
Marcos 7:7

"Porque o SENHOR disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído"; Isaías 29:13

"Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens; como o lavar dos jarros e dos copos; e fazeis muitas outras coisas semelhantes a estas."Marcos 7:8

"As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas dos homens";
Colossenses 2:22

"Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens." Mateus 15:9
É isso que causa a solidão espiritual, é estar na igreja com os irmãos, e quando chega em casa sente um vazio enorme e não sabe porque. Deus não consegue acabar com esse vazio no peito, porque simplesmente Ele está falando e você não está ouvindo!

"Por que não entendeis a minha linguagem? Por não poderdes ouvir a minha palavra."
João 8:43
Eu há muito tempo deixei de ouvir pastores & cia., para ouvir a sublime voz de Deus! Você também pode ouvir a voz da Verdade! Deus é um só e fala somente uma língua. Não é a minha, nem a sua, nem a do pastor da sua igreja, nem a do padre, do apóstolo, do cantor gospel!
Ele fala a língua dEle e somente a dEle... Ouça!

"A voz do SENHOR ouve-se sobre as suas águas; o Deus da glória troveja; o SENHOR está sobre as muitas águas." Salmos 29:3

"Com a sua voz troveja Deus maravilhosamente; faz grandes coisas, que nós não podemos compreender." Jó 37:5

"A voz do SENHOR ouve-se sobre as suas águas; o Deus da glória troveja; o SENHOR está sobre as muitas águas." Salmos 29:3

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

No momento me encontro desligada ou fora da área de cobertura...

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Senhor Jesus: Criador ou criatura?

Cristo é o agente de Deus na criação de todas as coisas. A bíblia diz com clareza que Deus criou todas as coisas por *intermédio* de Cristo. ( Cristo é coparticipante com Deus na criação e manutenção de todas as coisas, mas o Criador, o Pai, é o que lhe dá poder para sustentar e criar todas as coisas, Hb. 1:3; Mat. 28:18)

João 1:3 Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.

Atos 2:22 Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmos sabeis;

João 14:10 Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras.

Atos 10:38 como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele;

A bíblia diz que Jesus é o UNIGÊNITO de Deus. Isto significa, único gerado.

1 João 5:1 Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido

Hebreus 5:5 Assim, também Cristo a si mesmo não se glorificou para se tornar sumo sacerdote, mas o glorificou aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei;

Cristo foi gerado por Deus, antes que todas as demais coisas fossem criadas. Deus o Pai, gerou um Filho e depois, por intermédio deste filho, Deus criou todas as demais coisas.

João 8:28 Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do Homem, então, sabereis que EU SOU e que nada faço por mim mesmo; mas falo como o Pai me ensinou.

João 14:10 Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras.

Atos 10:38 como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele;
Mateus 28:18 Então Jesus chegou perto deles e disse: Deus me deu todo o poder no céu e na terra.

Fonte: Ministério Adventista Bereano

domingo, 27 de junho de 2010

João, o último redator do evangelho, na grande oração de Cristo, reage, distinguindo "o único Deus verdadeiro", e aquEle que Deus enviou, o Cristo.
Afirmar que Cristo era Deus, não seria admitir que existiam dois deuses, o que deveria aparecer como blasfemátorio para um judeu-cristão antes que fosse elaborada um "teologia trinitáriana"?

" E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste." João 17:3

Ainda sobre a Trindade

A doutrina da trindade não admite que Deus seja uma só pessoa. Portanto, nega que o Pai do Senhor Jesus seja o único Deus, e isso se dá porque ela não aceita que Deus seja uma só pessoa.
O Senhor Jesus era 100% Deus durante o período que Ele esteve morto na sepultura? Teria Ele uma suposta alma inortal consciente que teria sobrevivido à morte? Só isto explicaria um Senhor Jesus de dupla natureza.

Então compreendi que crêr na mortalidade da alma, não tem como aceitar que o Senhor Jesus foi 100% Deus em Seu ministério e consequentemente não pude crêr na Trindade.

Se Ele era Deus, então Deus morreu e deixou de existir quando Cristo morreu! Os cristãos que adotam um Senhor Jesus Deus-homem, coloca em contradição a crença na mortalidade da alma. Não tem como harmonizar a crença da alma com a crença em um senhor jesus 100% Deus.
A trindade é uma monstruosidade pagã, uma invenção absurda e impossível, uma gozação blasfema.

terça-feira, 11 de maio de 2010

O Tesouro de Davi - Salmo 13

Comentário ao Livro dos Salmos, compilados por Spurgeon

É costume chamar a este Salmo «Até quando?» Quase diríamos que é o Salmo do gemido, pela incessante repetição do grito «Até quando?»

Vers. 1. Até quando? Esta pergunta repete-se não menos de quatro vezes. Corresponde ao intenso desejo de libertação e à grande angústia do coração. E não tem por que não haver um pouco de impaciência mesclada com isso; não é este o retrato mais fiel da nossa própria experiência? Não é fácil prevenir e evitar que os desejos degenerem em impaciência. A aflição prolongada parece representar abundante corrupção; pois o ouro que tem de permanecer muito tempo no fogo, é porque contém muita escória que tem de ser consumida; daí que a pergunta Até quando? possa sugerir uma busca profunda do coração.

Até quando, SENHOR? Esquecer-me-ás para sempre? Ah, Davi!, que néscias são estas palavras! Pode Deus olvidar? Pode o Omnisciente falhar na lembrança? Acima de tudo, pode o coração do SENHOR esquecer o Seu filho amado? Ah, irmãos, expulsemos para longe de nós a ideia, e escutemos a voz do nosso Deus do pacto, por boca do profeta: « Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei; os teus muros estão continuamente diante de mim.»! (Is 49:16 ACF)

Para sempre. Que pensamento tão tenebroso! Sem dúvida era bastante suspeitar dum esquecimento temporário, mas faremos uma pergunta ingrata e imaginaremos que o Senhor vai abandonar para sempre o Seu povo? Não, a Sua ira pode durar uma noite, mas o Seu amor permanece eternamente. C. H. S.

Até quando esconderás o teu rosto de mim? O que é que há no nosso coração ou na nossa vida pelo qual Deus esconde o Seu rosto e franze o cenho sobre nós? Timothy Rogers

Tal como a noite e as sombras são boas para as flores, e a luz da Lua e o rocio são melhor que o Sol contínuo, assim também a ausência de Cristo tem o seu uso especial e um pouco de virtude nutritiva, e dá seiva à humildade, e aviva o apetite, e provê um campo livre para que a fé faça acto de presença e exercite os seus dedos para alcançar o que não vê. Samuel Rutherford, 1600-1661.

Vers. 1, 2. O que diz o provérbio francês da enfermidade é que é o verdadeiro de todos os males, porque vêm a cavalo, mas vai-se a pé.Joseph Hall

O cristão, enquanto está no mundo, vive num clima insalubre; por um lado, os deleites do mesmo amortecem o seu amor a Cristo; por outro, a tribulação com qual se encontra debilita a sua fé na promessa. William Gurnall

Vers. 2. Até quando? Há muitas situações na vida do crente em que as palavras deste Salmo podem ser uma consolação e ajuda para reviver a fé que se afunda. Certo homem que jazia junto à piscina de Betesda, tinha uma enfermidade há trinta e oito anos (João 5:5). Uma mulher que tinha um espírito de enfermidade passou dezoito anos antes de ser «libertada» (Lucas 13:11). Lázaro, toda a sua vida tinha sofrido da enfermidade e de pobreza, até que foi libertado pela morte e transferido para o seio de Abraão (Lucas 16:20-22). Assim pois, todo o que se sinta tentado a usar as queixa deste Salmo tenha a segurança no seu coração de que Deus não esquece o Seu povo, que no fim a ajuda virá, e, enquanto isso, todas as coisas cooperam para bem em favor dos que O amam. W. Wilson, DD Wilson, DD

Assim pois, o leitor cuidadoso notará que a pergunta Até quando? apresenta-se em quatro formas. A pena do escritor vê-se: conforme parece, segundo é, conforme o afecta a ele por dentro, e aos seus inimigos por fora. Todos somos propensos a bater mais no ceguinho. Como no nosso ditado “a cão cego todos atiram pedras”. Colocamos enormes lousas tumulares sobre as tumbas das nossas alegrias, mas quem pensa em erigir monumentos de louvor, pelas misericórdias recebidas? Escrevemos quatro livros de Lamentações e só um de Cantares, e achamos que são muitos mais em casa os gemidos do Misere que o canto de Te Deum.

Vers. 5. Mas eu em tua misericórdia tenho confiado; o meu coração se alegrará na tua salvação. Que mudança vemos aqui! Vede, a chuva terminou, e de novo os pássaros cantam. O coração de David estava desafinado, com mais frequência, do que a sua harpa. Começa muitos dos seus salmos suspirando, mas termina-os cantando. C. H. S.

Vers. 6. Cantarei ao SENHOR pelo bem que me tem feito. O mundo maravilha-se de como podemos estar tão contentes sob desgraças tão extremas; pois o nosso Deus é Omnipotente. Ele volta a desgraça em felicidade. Crede-me não há gozo no mundo comparável ao que desfrutam os filhos de Deus sob a cruz de Cristo. Posso falar por experiência, e portanto, crede-me, não temais nada do que o mundo vos pode fazer, porque quando aprisionam os vossos corpos, deixam as vossas almas em liberdade para conversardes com Deus; quando nos arremessam e esmagam, levantam-nos; quando nos matam, então enviam-nos para a vida eterna. Que maior glória pode haver que o sermos conformados à nossa cabeça, Cristo. E isto fá-lo a aflição. Oh bom Deus!, o que sou eu, para que me concedas uma misericórdia tão grande? John Trapp

Nunca soube o que era Deus estar a meu lado em todas circunstâncias e em toda a oferta com que me aflige Satanás, etc., conforme tenho visto e achado que Ele faz desde que vim para este lugar; porque, eis aqui, quando se apresentaram temores, vieram com eles ânimo e apoio; sim, quando comecei, como se disséssemos com nada, excepto com a minha sombra, Deus com a Sua ternura não permitiu que fosse molestado, mas com um versículo ou outro da Escritura fortaleceu-me contra tudo, até ao ponto que com frequência tenho dito: Se isto fosse legítimo, pediria em oração maiores tribulações para conseguir maiores consolos. Eclesiastes 7:14, 2 Coríntios 1:5. John Bunyan, 1628-1688.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Lei e Graça: Pré-Cruz ou Pós-Cruz?

Paulo não disse claramente aos romanos, que não estavam mais "debaixo da lei" mas "debaixo da graça?" Sim, disse. Mas com tais expressões queria ele acaso dizer que não necessitamos guardar os mandamentos contra o adultério, a idolatria, o homicídio, o roubo, a mentira, etc., enfim o conteúdo do Decálogo?

De modo nenhum, pois os argumentos narrados na mesma epístola são contrários a essa desastrosa conclusão. Leia por exemplo os capítulos de Romanos 3:31; 7:12 e 14; 7:22 e outras passagens. Analisaremos, com muita atenção, o verdadeiro sentido da expressão de Paulo. Qual o assunto que Paulo tinha em mente ao escrever aos crentes de Roma?

Estaria ele querendo diferenciar a lei do Velho Testamento e a lei do Novo Testamento? Não!
Queria ele estabelecer conflito ou contradição entre a lei e graça? Também não!
Estaria indicando várias maneiras de salvação? Não!! Romanos 3:31.
Então a que se referia o apóstolo, ao dizer "debaixo da lei" e "debaixo da graça"?

Referia-se à mudança do que ocorre no indivíduo por ocasião de sua conversão, mudança do "velho homem" para o "novo homem", do pecado para a santidade, da condenação fatal para a graça livradora.
Paulo está se dirigindo a homens crentes, a cristãos batizados, a homens convertidos. Não a ímpios, pagãos ou a transgressores da lei divina. Leia Romanos 6:1 a 5. E prossegue o verso 6: "sabendo isto que o nosso homem velho foi com Ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não mais sirvamos o pecado". Claro como a luz que o capítulo se refere à conversão e não à mudança de dispensações. Notemos cuidadosamente o que ele diz: "assim também considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 6:11).

A respeito de quem se afirma isso? Somente a respeito do homem convertido - membros da igreja de Roma, que não mais transgrediam a Lei, pois viviam em harmonia com ela. Paulo os exorta a não mais volverem ao pecado. "Não reine, portanto o pecado, em vosso corpo mortal..." (v. 12). Pecado - como define a Palavra de Deus - é transgressão da Lei [Dez Mandamentos] (I João 3:4). Paulo está exortando os romanos a não se deixarem arrastar pelas paixões carnais, voltando assim a transgredir a Lei de Deus. E no (v. 14): "Porque o pecado não terá domínio sobre vós... Por quê? Por que a lei foi abolida? Não. Mas porque já tinham abandonado o pecado, cessaram de transgredir a Lei.

O próprio argumento de Paulo mostra, de modo inequívoco, que era precisamente isto que ele queria dizer. "...o pecado não terá domínio sobre vós, porque não estais debaixo da lei (não mais a transgredis, não estais mais sujeitos à sua condenação, não colocais debaixo dela como antes) mas debaixo da graça (do favor imerecido que Deus vos concedeu de serdes redimidos por Cristo)."

O sentido exato e completo do v.14 é este: "tendo abandonado os vossos pecado, tendo cessado de quebrar a Lei, tendo crido em Cristo e sendo batizados, vós agora não sois mais governados pelos pelo pecado ou pelas paixões, nem sois condenados pela Lei, porque achastes graça à vista de Deus, que vos concedeu este favor imerecido, e os vossos pecados foram apagados."

Claríssimo! Portanto, não estar debaixo da lei, é não está sobre a sua condenação. Não há conflito entre Lei e Graça. "Por quê? Pecaremos (isto é transgrediremos a lei) porque não estamos debaixo da lei (da sua condenação) mas debaixo da graça (do favor divino)? De modo nenhum." Portanto, a própria conclusão do apóstolo Paulo destrói inteiramente a tese de um suposto conflito entre Lei e Graça. Mesmo porque se "não estar debaixo da lei" significa que não devemos obedecer-Lhe, segue-se portanto que podemos transgredir-la à vontade. Porém Paulo destrói imediatamente esta idéia blasfema com um categórico "De modo nenhum!".

Credenciada autoridade evangélica sentenciou, com relação a Romanos 6:14: "A graça não importa em liberdade para pecar, mas numa mudança de senhores, e numa nova obediência e serviço. A graça não anula a santa Lei de Deus, mas unicamente a falsa relação do homem para com ela." 1

Outra passagem - muito ao gosto dos negadores da lei - é Gálatas 5:18: "... se sois guiados pelo Espírito não estais debaixo da lei." Também neste caso, quais os que não estão debaixo da lei? Somente os que são guiados pelo Espírito, ou seja convertidos, os fiéis, os crentes, os que não seguem as concupiscências, os que não transgridem a Lei de Deus - em suma os que não cometem pecado. Os ímpios os pecadores não são guiados pelo Espírito, por isso eles estão debaixo da lei, da sua condenação, porque as transgridem. Não há aí a mais leve alusão de abolição da Lei de Deus. Só uma interpretação obtusa conduziria a tal conclusão.

Consideremos agora a absurda interpretação de alguns. Dizem que pela expressão "não estamos debaixo da lei" Paulo quis dizer que a lei foi abolida e, portanto, não precisamos mais cumprir os seus preceitos. Passou a lei, sua época e sua função - segundo dizem. Ora, se isto é verdade, então ninguém está debaixo da lei, quer seja ou não guiado pelo Espírito. Daqui não há como fugir. Mas Paulo combate este erro, declarando explicitamente que a fim de não estarmos debaixo da lei, temos que ser guiados pelo Espírito.

A idéia de se estar "livre da lei" e de sua obediência não é nova. Ela surgiu, pela primeira vez, em 608 A.C., aproximadamente, nos tempos do profeta Jeremias. Naquele tempo, este argumento indigno foi empregado pelo rebelde povo de Judá a fim de justificar a sua transgressão da lei de Deus. Consulte-se, de preferência nas versões Brasileiras ou Trinitária, a repreensão de Deus ao Seu povo, em Jeremias 7: 8 a 10: "Eis que vos confiais... furtareis, matareis, adulterareis... e direis: fomos livrados a fim de fazer todas estas coisas."
Um fato inegável: os cristãos de qualquer denominação crêem que eles não devem jurar, matar, furtar, mentir, cobiçar, etc. Em outras palavras, crêem que devem guardar os mandamentos. Os adventistas crêem o mesmo, com a diferença que o fazem em relação a todo o Decálogo, incluindo necessariamente o quarto mandamento.
Ora, se nós, os Adventistas do Sétimo Dia, estamos "debaixo da lei" porque cremos na guarda dos Dez Mandamentos, então os demais cristãos estão nove décimos (ou noventa por cento) debaixo da lei, pelo fato de guardarem nove preceitos do Decálogo. "Coerência, és uma jóia."

Outro fato de suma gravidade: costuma-se usar a expressão "não estar debaixo da lei" mas "debaixo da graça" unicamente para se "justificar" a desobediência ao quarto mandamento. Ninguém a emprega para justificar a quebra de outros mandamentos do Decálogo. Cremos honestamente que aqueles que a usam para fugir a guarda do sábado, não sentem nenhum desejo de roubar, matar ou adulterar. Certamente que essas coisas lhes causam horror. Mas, com tal atitude, apenas provam que não é o mandamento de Deus que os inibe de fazer de adulterar, matar, cobiçar, etc., mas sim a educação que receberam, a vigilância social e a opinião pública. Se a prática desses horríveis pecados fosse coisa aceita (como o eram em alguns ritos bárbaros), então não hesitariam em dizer que praticariam tais coisas porque "não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça".

A tal extremo conduz o anominianismo, servindo-se de suas bases capciosas de argumentação. Note-se que há índios e nativos canibais que matam impiedosamente e a sua consciência não os acusa. Erro grosseiro é supor que a guarda dos mandamentos é questão de consciência. A religião cristã não se baseia na consciência, mas é uma religião revelada. Está escrito o que devemos fazer, e o que devemos evitar de fazer e isto é cumprido quando o Espírito nos toca o coração. A consciência, muita vezes, mesmo crendo estar sendo dirigida por Deus, acomoda-se. A consciência não é um guia seguro. O seguro está na revelação. Vamos cumpri-la. A Escritura tem muito a dizer sobre a consciência, como base precária e enganosa. A Bíblia fala de "consciência cauterizada" (I Timóteo 4:2), consciência "fraca" (I Coríntios 8:7). Somente a revelação divina não se cauteriza nem se enfraquece. É inalterável porque o seu elemento é só divino.

A. B. Christianini, Subtilezas do Erro, 2.ª ed., 1981, pág. 96.

1. Vincent, Word Studies, vol. 3, pág. 11.

domingo, 4 de abril de 2010

Viver a vida

A vida nos é dada para sermos felizes e vivermos em harmonia com o nosso semelhante. Viver assim é o mesmo que saber participar, perdoar, compreender, ajudar, aceitar ... enfim, é ser como Jesus, seguir seu exemplo.
Jesus trouxe ao mundo a esperança, de que, se quisermos, a vida pode ser um grande prazer para todos. Durante os seus milagres e parábolas, Ele mostrou aos homens o caminho da salvação. E o momento mais importante de sua missão foi a ressurreição, além de ser uma prova de amor, foi também de poder. É na Páscoa que revivemos esses acontecimentos tão importantes e significativos.
A partir da quarta- feira de cinzas, começa o tempo de preparação para a Páscoa: a quaresma (quarenta dias até o domingo de Páscoa).
A festa da Páscoa era comemorada pelo povo de Jesus há muito tempo. Eles celebravam o dia que foram libertados do Egito e voltaram a viver em sua terra. A palavra Páscoa significa passagem, pois o povo, que era escravo, pássou a ser livre, graças ao poder de Deus.

Uma feliz Páscoa para todos, e que o coelhinho da páscoa não tome o lugar da nossa verdadeira Páscoa, que é cristo.

"Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós."1 Coríntios 5:7

sábado, 3 de abril de 2010

Socorro! Os Levitas Voltaram - A Volta dos Que Não Foram

Havia um homem, na terra de Uz, chamado Jó. Homem fiel e temente a Deus, íntegro em todos os seus caminhos...

Um belo dia (belo pra quem conta a história, nunca pra quem a vive), Jó recebe uma notícia, uma não... várias... ele perdera tudo, todos os seus bens e o pior, todos os seus filhos. Amargurado, triste, arrasado (imaginem um pai perder num só dia seus dez filhos), impregnado pela dureza que a vida lhe impusera naquele momento, Jó ergue-se do chão, levanta a voz e canta ao Senhor:
" - Restitui... eu quero de volta o que é meu!!"

Você e eu sabemos que não foi isso o que aconteceu, mas é sobre isso que eu quero falar... sobre essa onda de "restituição" que mais uma vez é trazida pelos "levitas" que nunca levitaram, nem levitarão, mas causam sempre grande confusão em nosso meio já tão confuso.

Vivemos pela graça. Graça foi, é e sempre será favor imerecido. TUDO o que recebemos das mãos de Deus é graça. Não temos direito a nada. Quando a Bíblia fala de sermos co-herdeiros com Cristo não está falando de coisas deste mundo, mas da glória que em nós há de ser revelada no dia de Cristo Jesus. Jó parecia entender isso desde o Antigo Testamento, ou seja, no início de tudo (segundo alguns estudiosos Jó é o livro mais antigo da Bíblia) já havia a noção da graça, que hoje tenta ser anulada pelos apaixonados extravagantes re-judaizantes.

A idéia de termos “direitos” diante de Deus é egoísta, hedonista e humanista. O pior de tudo isso é que os defensores das idéias restitucionais ( que são os mesmos que reinvindicam, tomam posse, conquistam cidades profeticamente, etc...) dizem que os anos que nos foram roubados pelo INIMIGO, as coisas que nos foram tiradas pelo INIMIGO, os estragos feitos pelo INIMIGO vão ser restituídos pelas mãos de Deus, e utilizam-se de textos bíblicos sem o menor fundamento. Senão vejamos: o texto bíblico mais utilizado para defender a idéia de restituição é Joel 2.25 (“Restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pelo gafanhoto migrador, pelo destruidor e pelo cortador, o MEU grande exército que EU ENVIEI contra vós outros”).
Entenderam ? Não foi o diabo que fez o estrago da vida de Israel. Foi Deus mesmo quem mandou os gafanhotos e só ELE é capaz de restituir o que ELE mesmo tirou. E mais... ele o faz porque quer e não por obrigação nenhuma. Às vezes é o próprio Deus quem nos tira tudo para aprendermos lições que nos servirão por toda a vida. Portanto, tenhamos o maior cuidado ao estarmos atribuindo ao diabo uma obra de Deus.

Fora isso, a idéia de restituição como direito (eu quero de volta o que é MEU) anula a graça. O que é a graça, senão recebermos de Deus tudo aquilo que não merecemos, que não nos pertence e que nos é dado gratuitamente por aquele que é Senhor de tudo e de todos ? Quando eu acho que sou dono das minhas coisas e que tenho "direito" sobre elas, automaticamente excluo o verdadeiro dono. Ninguém pode servir a dois senhores. Ou Deus é o dono de minha vida e por conseqüência dono de tudo o que me é dado, ou EU sou o dono de tudo e aí sim, sirvo a mim mesmo, tendo direitos exclusivos sobre aquilo que é “meu”.

Mas e os estragos feitos em nossa vida realmente pelo inimigo ? Deus não restitui ? Sinceramente, creio que não!! Deus faz tudo novo!! Ele não está disposto a remendar vidas, ele as faz novamente. Não recebemos uma “lanternagem espiritual” nova, recebemos nova natureza. O que o diabo fez no passado... fica no passado... “eis que faço NOVAS todas as coisas”, pois quem está em Cristo, “NOVA criatura é, as coisas VELHAS, já PASSARAM, eis que tudo se faz NOVO”. Lembro-me do vaso nas mãos do oleiro. Ele não remendou o vaso, não colou com super-bonder ou durepox. Ele quebrou e tornou a fazer de novo...

Não há restituição, há nova vida, tudo NOVO. Não há remendos feitos por Deus, há cura integral e perdão total. Há novo nascimento, novidade de vida.
Quando entendemos isso, entendemos até as perdas que temos que enfrentar, sabedores de que Deus é soberano sobre nossas vidas e é ele quem nos dá o que quiser, a hora que quiser, para cumprir o seu propósito. Quando percebermos essa verdade, e só então, poderemos dizer como Jó: “O SENHOR deu e o SENHOR tomou; bendito seja o nome do SENHOR!”

By: José Barbosa Junior do http://www.crerepensar.com.br/

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Seja feita a minha vontade - J. I. Packer

O cristianismo da banheira quente é radicalmente errado. Por quê? Porque expressa tanto o egocentrismo, pelo qual um indivíduo recusa negar a si próprio, como também o eudemonismo, pelo qual a pessoa rejeita o programa disciplinar de Deus para si mesmo. Assim, torna-se duplamente irreligioso.

Por egocentrismo, refiro-me à essência da imagem de Satanás na humanidade decaída. Isto pode ser descrito como a relutância em se enxergar como existindo para o prazer do Criador e, ao contrário, a disposição de se estabelecer como centro de todas as coisas. A busca pelo prazer próprio em qualquer uma de suas modalidades é a regra e a força motriz da vida egocêntrica. Orgulho é o nome cristão clássico para esta síndrome de auto-afirmação e auto-adoração, da qual o moto implícito é "seja feita minha vontade". Embora o orgulho egocêntrico possa adotar a forma de Cristianismo, corrompe a substância e o espírito do Cristianismo. Tenta manipular Deus e controlá-lo para seus próprios objetivos. Isso, como já indicado, reduz a religião à mágica, tratando o Deus que nos fez como se ele fosse o nosso mordomo pessoal ou o gênio da lâmpada de nosso Aladim.

O teocentrismo — que repudia o egocentrismo, reconhecendo que, no sentido fundamental, nós existimos para Deus e não ele para nós, e então adorando-o convenientemente — é básico para a verdadeira piedade. Sem esta mudança radical, da centralização em si próprio para a centralização em Deus, qualquer mostra de religião é falsa em maior ou menor grau.

Jesus Cristo exige abnegação, isto é, autonegação (Mt 16.24; Mc 8.34; Lc 9.23) como uma condição necessária do discipulado. A abnegação é um chamado para a pessoa se submeter à autoridade de Deus como Pai, e de Jesus Cristo como Senhor, e para declarar guerra vitalícia contra o egoísmo instintivo. A negação requerida é do eu carnal, do impulso egocêntrico, auto-deificante com o qual nascemos, e que nos domina tão ruinosamente em nosso estado natural.

Jesus une a negação de si ao levar a cruz. Levar a cruz é muito mais do que suportar esta ou aquela aflição. Carregar sua cruz nos dias de Jesus, como aprendemos da própria história da crucificação de Jesus, era requerido daqueles a quem a sociedade havia condenado, cujos direitos haviam sido suspensos, e que agora estavam sendo conduzidos para sua execução. A cruz que carregavam era o instrumento da morte. Jesus representa o discipulado como sendo uma questão de segui-lo, e segui-lo tomando sua cruz em negação de si mesmo. O ser carnal nunca consentiria em lançar-se em tal papel. "Quando Cristo chama um homem, propõe que ele venha e morra", escreveu Dietrich Bonhoeffer, oito anos antes dos nazistas o terem enforcado. Bonhoeffer estava certo: aceitar morrer para tudo aquilo que o ser carnal quer possuir é justamente o assunto do apelo de Cristo.

O cristianismo da banheira quente deixa de encarar essa questão e tenta aproveitar o poder de Deus vinculando-o às prioridades da auto-centralização. Sentimentos de prazer e de conforto, brotando de circunstâncias agradáveis e experiências suaves, são objetivos importantes hoje em dia, e muito do Cristianismo popular dos dois lados do Atlântico tenta fazer a nossa vontade, fabricando-os para nós. Algumas vezes, como meio para alcançar esse fim, invoca a idéia de que as promessas de Deus são como os encantos de um mágico: use-as corretamente e você poderá extrair de Deus qualquer coisa legítima e agradável que deseje. Quando eu era estudante, fiquei chocado com um pequeno livro de sermões de um conhecido evangelista, Como Escrever Seu Próprio Cheque com Deus.

Hoje, quarenta anos mais tarde, o assim chamado "evangelho da saúde e prosperidade", que promete cura miraculosa para os enfermos e enriquecimento material para os necessitados, desde que eles ajam ousadamente sobre a fórmula "afirme e reivindique", tem muitos e fascinados seguidores. Muitos não são devotos totais da "cura-e-prosperidade", mas ainda tratam Tiago 5.15 ("A oração da fé salvará o enfermo") como fórmula mágica garantida para cura milagrosa, sempre que a "fé" for alcançada. Quando falo da religião da banheira quente, tenho em mente posições tais como esta.

É correto e bom ter confiança nos recursos ilimitados de Deus e altas expectativas de ser liberto do mal. Mas, conceber uma oração de petição como sendo uma técnica para fazer Deus "dançar segundo a música" que você estabelece e obedecer às ordens que você dá não é certo nem bom. Na oração de petição, devemos tentar discernir o propósito de Deus na vida ou na situação de vida que colocamos perante ele, e cristalizar pedidos específicos como uma demonstração de "Seja feita a tua vontade", que deve ser sempre nossa súplica fundamental. A religião da banheira quente não alcança o ponto onde pode ver isto. O egocentrismo que a produziu é devastador; a oração como maneira nossa de gerenciar e dirigir as energias de Deus, de tal maneira que ele nos reconheça, em vez de nós a ele, nunca está longe de seu coração. É mau!

J. I. Packer

quinta-feira, 1 de abril de 2010

É Simples, Existe Um Só Deus... Depois é que vem a confusão...

A teoria CATÓLICA da TRINDADE afirma que Deus é (são) 3 Pessoas. São elas: DEUS PAI, DEUS FILHO e DEUS ESPÍRITO SANTO...

Porém, pensemos nisto:

1) Se Deus são três Pessoas. Porque Deus não disse: “...diante de NÓS”?

“Então falou Deus todas estas palavras: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de MIM.” Êxodo 20:1-3

Pergunta para Reflexão: Qual o significado de “MIM”?

2) Deus é Uma ou mais Pessoas?

“Pois assim diz o SENHOR que criou os céus, ele é Deus; foi ele que formou a terra, e a fez, ele a estabeleceu; (...) Eu sou o SENHOR e não há outro.” Isaías 45:18

“...E não há outro Deus senão eu, Deus justo e salvador não há além de mim. Olhai para mim e sede salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus e não há outro.” Isaías 45:21-22.

“Vede agora que Eu Sou, Eu somente e não há outro Deus além de mim; eu faço morrer e eu faço viver; eu firo e eu saro; e não há quem possa livrar da minha mão.” Deuteronômio 32:39

“...Eu sou o SENHOR, e não há outro; fora de mim não há Deus.” Isaías 45:5

“...Há outro Deus além de mim?” Isaías 46:8.

“SENHOR, ninguém há como tu, e não há Deus fora de ti, conforme tudo o que ouvimos com os nossos ouvidos.” 1 Crônicas 17:20.

3) Para o apóstolo Paulo, Deus é um só? OU Deus são três?

“...e que não há outro Deus, senão um só.” I Coríntios 8:4

“Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, (...) e um só Senhor, Jesus Cristo...” – 1 Coríntios 8:6.

“Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos.” Efésios 4:6.

“... Deus é um só...” Romanos 3:30

“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem.” 1 Timóteo 2:5.

“Crês tu que Deus é um só? Fazes bem; os demônios também o crêem, e estremecem.” Tiago 2:19

“...mas Deus é um só.” Gálatas 3:20

Pergunta para Reflexão: Qual o significado de “Deus é um só”? Um só significa uma só Pessoa ou três Pessoas?

4) Para o apóstolo Paulo, Deus é único?

“...ao Deus único e sábio seja dada glória, por meio de Jesus Cristo....” Romanos 16:27

“Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus, seja honra e glória para todo o sempre. Amém.” I Timóteo 1:17

5) Para o Nosso Senhor Jesus Cristo, Deus é único?

“Como podeis crer, vós que recebeis glória uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus?” João 5:44.

“Respondeu-lhe Jesus: O principal de todos os mandamentos é: Ouve, ó Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR.” Marcos 12:29. Ler o verso 32

“Ora, a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” - João 17:3.

Reflita: A vida eterna está em conhecermos o Pai, como “único Deus”? O que significa “ÚNICO”?

6) Quantos Deuses existem?

“Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos...” Efésios 4:6.

“Todavia, para nós há um só Deus, o Pai...” 1 Coríntios 8:6.

7) Para o Nosso Senhor Jesus Cristo, quem é Deus?

“Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; pois neste, Deus, o Pai, imprimiu o seu selo.” – João 6:27

“Disse-lhe Jesus: (...) vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus” João 20:17

“A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome.” Apocalipse 3:12

Pergunta para Reflexão: O que Deus é para Jesus? Deus e Pai?

POR QUE JESUS, O FILHO DE DEUS FOI CHAMADO E RECONHECIDO TAMBÉM COMO DEUS?

1) Jesus herdou um nome e levava o nome de Quem?

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai Eterno, Príncipe da Paz.” Isaías 9:6.

“E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, que traduzido é: Deus (é) conosco.” Mateus 1:23.

“E ele (Jesus) permanecerá, e apascentará ao povo na força do SENHOR, na excelência do nome do SENHOR seu Deus...” Miquéias 5:4 (ler o verso 2)

“Feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles.” Hebreus 1:4

2) Jesus tem um nome, acima de todo nome? Quem deu a Ele esse NOME?

“Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome...” Filipenses 2:9

“...Pai santo, guarda-os no teu nome, o qual me deste, para que eles sejam um, assim como nós. Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu nome que me deste;...” João 17:11-12

3) O Filho de Deus foi chamado de Deus, por que Ele revelou e representou o Pai?

Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou. João 1:18 (versão Revista e Corrigida e versão de Jerusalém)

“Respondeu-lhe Jesus: (...) Quem me viu a mim, viu o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?” João 14:9

4) Os judeus acusaram Jesus de quê? E qual foi a resposta de Jesus?

“Responderam-lhe os judeus: Não é por obra boa que te apedrejamos, e sim por causa da blasfêmia, pois, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo.” João 10:33

“.... dizeis vós: Blasfemas; porque eu disse: Sou Filho de Deus?” João 10:36

NOTA: Jesus NUNCA disse que era Deus. Ele sempre afirmou que era o Filho de Deus! Jesus como Filho... HERDOU o nome de Deus...

“POIS, AINDA QUE HAJA TAMBÉM ALGUNS QUE SE CHAMEM DEUSES, QUER NO CÉU QUER NA TERRA (COMO HÁ MUITOS DEUSES E MUITOS SENHORES), TODAVIA PARA NÓS HÁ UM SÓ DEUS, O PAI, DE QUEM SÃO TODAS AS COISAS E PARA QUEM NÓS VIVEMOS; E UM SÓ SENHOR, JESUS CRISTO, PELO QUAL EXISTEM TODAS AS COISAS, E POR ELE NÓS TAMBÉM.” I CORÍNTIOS 8:5-6

NOTA: O termo hebraico Elohim, bem como o termo grego Theos, traduzido para Deus tem dois sentidos:

O primeiro destes é quando designa Deus o Pai. Aquele que governa e preside sobre todas as coisas no céu e na terra... Neste sentido as Escrituras afirmam que Elohim (Deus) é um só. Theos (Deus) é único, é o Todo-Poderoso! O Imortal. Aquele que nunca foi visto!

O outro sentido é quando o Deus único (o Pai) dá a outro ser, algum tipo de autoridade superior ou no céu ou sobre a terra entre os homens, ou autoridade para impor julgamento sobre outros homens, sendo dessa maneira, e nesse sentido considerado e chamado de (Elohim) Deus!

“...ao único Deus, nosso Salvador, por Jesus Cristo nosso Senhor, glória, majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, e agora, e para todo o sempre. Amém.” – Judas 25

“... e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador,” Lucas 1:47 RA

“Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador,” 1 Timóteo 2:3 RA

9) O que Deus fez para nos salvar?

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” – João 3:16

O Espírito Santo.... é o Espírito de Deus e/ou o Espírito de Cristo... Em outras palavras... O Espírito Santo... é a ONIPRESENÇA Deles... Tanto o Pai como o Filho são Santos... portanto... o Espírito Deles é um Espírito Santo... O Pai e o Filho, se fazem presentes em todo o Universo e em nossos corações... através dessa MISTERIOSA Onipresença... chamada ESPÍRITO SANTO.

FIQUEM TODOS NA PAZ DE CRISTO...

quarta-feira, 31 de março de 2010

O "Evangelho" segundo Herbert Viana!


Cirurgia de lipoaspiração.
Por Herbert Vianna

Pelo amor de Deus, eu não quero usar nada nem ninguém, nem falar do que não sei, nem procurar culpados, nem acusar ou apontar pessoas, mas ninguém está percebendo que toda essa busca insana pela estética ideal é muito menos "lipo-as e muito mais piração?"

Uma coisa é saúde outra é obsessão. O mundo pirou, enlouqueceu. Hoje, Deus é a auto imagem. Religião é dieta. Fé, só na estética. Ritual é malhação.

Amor é cafona, sinceridade é careta, pudor é ridículo, sentimento é bobagem.

Gordura é pecado mortal. Ruga é contravenção. Roubar pode, envelhecer, não. Estria é caso de polícia. Celulite é falta de educação. Filho da puta bem sucedido é exemplo de sucesso.

A máxima moderna é uma só: pagando bem, que mal tem?

A sociedade consumidora, a que tem dinheiro, a que produz, não pensa em mais nada além da imagem, imagem, imagem. Imagem, estética, medidas, beleza. Nada mais importa. Não importam os sentimentos, não importa a cultura, a sabedoria, o relacionamento, a amizade, a ajuda, nada mais importa.

Não importa o outro, o coletivo. Jovens não tem mais fé, nem idealismo, nem posição política. Adultos perdem o senso em busca da juventude fabricada.

Ok, eu tambem quero me sentir bem, quero caber nas roupas, quero ficar legal, quero caminhar, correr, viver muito, ter uma aparência legal mas...

Uma sociedade de adolescentes anoréxicas e bilímicas, de jovens lipoaspirados, turbinados, aos vinte anos não é natural. Não é, e não pode ser. Que as pessoas discutam o assunto. Que alguém acorde. Que o mundo mude.

Que eu me acalme. Que o amor sobreviva.

"Cuide bem do seu amor, seja ele quem for."

Herbert Vianna - Cantor e compositor


Os pastores super poderosos

Só não fiquei mais envergonhada porque também não comungo a mesma fé desses caras.

Cristianismo não é esse circo de horrores; cristianismo é ser justificado pela fé, iluminar o mundo com boas obras e adentrar a eternidade. O que passa disso é bizarrice, como a gente vê nesse vídeo aí:




Extraído do blog: http://www.pulpitocristao.com/2010/01/os-pastores-super-podersosos.html, com as devidas modificações.

terça-feira, 30 de março de 2010

Cuidado com as cobras da vida...


"Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas." João 3:20

Conta-se a estória de um certo vagalume que vivia tranqüilamente no mato, cumprindo a sua tarefa de iluminar o caminho das pessoas e animais durante a noite escura. Um dia foi avistado por uma cobra astuta que passou a perseguí-lo por dois dias sem parar, até que finalmente conseguiu tocaiá-lo.
Quando estava pronta para dar o bote, o vagalume interropeu-a com um pedido clemente:

_ Antes de me devorar, é possível me responder a três perguntas?

A cobra retrucou:
_ Bem, seja breve. Faça as suas perguntas.

O vagalume continuou:
_ Porventura eu faço parte da sua cadeia alimentar?

A cobra respondeu:
_ De fato não, você não faz parte da minha cadeia alimentar.

_ Eu lhe fiz alguma coisa que justifique tal violência?
_ Não. Respondeu a cobra já desconfiada.

Finalmente perguntou o vagalume:
_ Então, por que razão você vem me perseguindo por dois dias e agora quer me devorar?

A cobra responde de maneira enfática:
_ Eu não suporto ver você brilhar!!!

quinta-feira, 18 de março de 2010

A MAIS VERDADEIRA DAS MENSAGENS SUBLIMINARES

quinta-feira, 11 de março de 2010

Paul Washer - O Julgamento verdadeiro

Você "adicionaria" o apóstolo Paulo?

por Mike Pohlman

Precisamos de mais gente como Onesíforo na igreja de hoje. Ele é um desses personages bíblicos que são facilmente esquecidos por causa de nossa tendência a focar nos “gigantes” das Escrituras (por exemplo, Abraão, Moisés, Davi, Pedro, Paulo, etc).

Considere, por exemplo, o que aprendemos sobre Onesíforo em 2 Timóteo 1:15-18:

"Estás ciente de que todos os da Ásia me abandonaram; dentre eles cito Fígelo e Hermógenes. Conceda o Senhor misericórdia à casa de Onesíforo, porque, muitas vezes, me deu ânimo e nunca se envergonhou das minhas algemas; antes, tendo ele chegado a Roma, me procurou solicitamente até me encontrar. O Senhor lhe conceda, naquele Dia, achar misericórdia da parte do Senhor. E tu sabes, melhor do que eu, quantos serviços me prestou ele em Éfeso."

Três coisas sobre Onesíforo se destacam:

1. Quando todos os outros abandonaram Paulo, Onesíforo foi até ele. Onesíforo não era um daqueles que simplesmente “vão junto com a multidão”. Ele se arriscou ao ridículo, à zombaria e ao desprezo para realmente ir contra a corrente predominante da opinião popular sobre Paulo.

2. Onesíforo perseverou frente às dificuldades. Tantos de nós têm um grande idealismo – até que as coisas fiquem difíceis. Então, viramos as costas. Onesíforo não. Quando ele chegou em Roma e não conseguiu encontrar Paulo, o apóstolo fala da perseverança de Onesíforo: ” tendo ele chegado a Roma, me procurou solicitamente até me encontrar”. Lindo.

3. Onesíforo se orgulhava de Paulo. Isso é muito maior do que simplesmente dizer “Onesíforo me deu ânimo”. Se Paulo só dissesse isso, poderíamos imaginar Onesíforo fazendo-o silenciosamente – talvez à noite quando ninguém pudesse ver. Teria Onesíforo entrado sorrateiramente na cela de Paulo quando ninguém estava olhando porque ele tinha vergonha de sua associação com Paulo? Não este amigo. Paulo, talvez com lágrimas, escreveu que Onesíforo “nunca se envergonhou das minhas algemas”. Onesíforo não ligava se as pessoas fofocavam ou murmuravam – ele estava orgulhoso da determinação de Paulo a sofrer por amor de Cristo.

O que capacitou Onesíforo a agir desta forma? O que faz alguém ser tão contra-cultural? Eu só posso concluir que Onesíforo estava tão consumido por seu amor por Jesus que ele agora era livre da aprovação das pessoas; livre do medo de desprezo; livre do fascínio do mundo; livre da indiferença. Onesíforo, pelo poder do Evangelho, era livre para amar.

O que eu vejo em Onesíforo é a incorporação de Gálatas 5:6, a saber, “a fé que atua pelo amor”. A fé que havia em Onesíforo tinha um impulso – e este impulso era o amor. E este amor não era fraco ou medroso ou egoísta de forma alguma.

Que Deus me ajude a amar assim.

Traduzido por Daniel TC iPródigo

Nota do tradutor: O título em inglês é 'Would You “Friend” the Apostle Paul'?
onde o "Friend" (Amigo) refere-se a criar um vínculo na rede social Facebook.
Perde-se esta referência na tradução mais literal "Você seria amigo do Apóstolo Paulo".

terça-feira, 9 de março de 2010

João 5:19-20-20 e 21

Quando faz alusão a seus milagres, Jesus não fala de "sinais", mas de "obras", em referência a Nm 16:28:

"Então disse Moisés: Nisto conhecereis que o SENHOR me enviou a fazer todos estes feitos, que de meu coração não procedem. "

Como Moisés, Ele não as realiza "por si mesmo"; apenas imita o Pai (5:19), até dar de novo vida aos mortos (5:20-21). Tais obras tetemunham, portanto, que é Deus quem age em e por Cristo (10:25, 37-38; 9:3-4).~

Não crer apesar das "obras" ou apesar das palavras, constitui o pecado por autonomásia, ou seja, vai contra as afirmações de Cristo.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Cri, por isso falei

2 Coríntios 4:13 - "E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos."

Para reforçar o testemunho que estava dando aos Coríntios, Paulo cita o Salmo 116:...”Cri, por isso falei...” (II Coríntios 4:13).

Houve momentos na vida de Paulo muito semelhantes aos da vida do Salmista: perseguição, aflições, injustiças, morte dos queridos, cansaço... Nestas e em outras experiências, os dois se apegaram ao Senhor, choraram nos Seus braços, lutaram contra a incompreensão e as incertezas para, no tempo do Senhor, descobrir os caminhos divinos.

A conclusão dos dois é a mesma: enquanto não cremos que o Senhor tem o controle, apesar de todas as infelicidades que nos cercam, nossa reação natural é de depressão, incompreensão e revolta. Porque há horas em nossa vida em que todas as portas parecem fechadas, em que todas as nossas alegrias nos são tiradas, em que parece que o Senhor nos abandonou. Nessas horas, no meio da escuridão, porque não somos atrasados completamente, suspeitamos alguma presença do Senhor. E, quando nos agarramos nela, ela nos agarra em Seus braços e nossas experiências passadas de dependência e libertação começam a tomar conta de nós. A graça de Deus honra nossa pequenina fé e Ele nos ajuda a continuar com Ele.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

O evangelho do "eu acho"

Lucas 1:4 - Para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado.

A pior coisa que pode acontecer na vida de uma pessoa é ela abraçar o evangelho do "eu acho".

"Eu acho que isso pode", "ahhh, eu acho que isso faz mal", "xiii, eu acho que isso desagradou a Deus". A fé cristã não é uma experiência de "achismos". Precisamos ter certeza das coisas que fomos informados, para servirmos a Deus sem dúvida.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Quem Crer e For Batizado...

Marcos 16:16 - Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.

Fé e batismo fizeram parte da pregação de João Batista, dos Apóstolos e da Grande Ordenança de Jesus : “Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.” ( Marcos 16:16 )

Em nenhum texto das escrituras encontra-se a palavra : aquele que não crer e for batizado será salvo. Além disso, também não se encontra texto que afirme : aquele que crê e não for batizado será condenado. Na realidade, somente “quem não crer será condenado”. Fé é essencial. Batismo não é.

Porque, então, o batismo? Assim como a cruz, o batismo foi instituído como símbolo. Símbolo exterior de uma revolucionária transformação interior.

O batismo é a pregação dramática. É a declaração, à sociedade, de que uma vida aceitou o senhorio de Jesus Cristo e que pretende viver à semelhança do Mestre. Crente que não vive à semelhança de Cristo, desonra o batismo e desonra seu Mestre. O batismo não salva, mas a pregação sincera de um batizado convicto pode induzir pessoas à salvação, pela fé em Cristo. Ao ser batizado, aquele que crê dá testemunho de que morreu para o mundo e ressuscitou para Deus. Aquele que se submete ao batismo meramente por conveniência social, menospreza o poder da fé em Cristo e entrona o símbolo no lugar do simbolizado, será condenado.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

É Preciso Moer O Cereal

Isaías 28:28 - O trigo é esmiuçado, mas não se trilha continuamente, nem se esmiuça com as rodas do seu carro, nem se quebra com os seus cavaleiros.

A Bíblia ensina que o mundo do Senhor tem métodos e ordem. Ao falar sobre isso, Isaías escreve: "É preciso moer o cereal para fazer o pão" (Isaías 28:28).

O caso e a desordem não fazem parte dos recursos do Senhor.como também não existem a sorte ou o azar. Viver sem objetivos ou sem planejamento não é ensino bíblico. A partir da criação, narrada no Gênesis, o caos e as trevas foram substituídos pela luz dos mandamentos do Senhor.

Não é à toa que os discípulos chamavam Jesus de Mestre. A mensagem de Jesus apresenta planejamento, organização, didática, objetivos claros. Suas parábolas nunca foram metas, estórias casuais, ditas ao sabor das circunstâncias. Não é de estranhar, portanto, que o ensino de Isaías sobre grão é retomado por Jesus, séculos depois. Se o grão não "morrer" não produzirá planta e frutos, disse Jesus. Se o grão não for "moído", não produzirá pão, disse Isaías.

Nem sempre entendemos a profundidade e a eficácia da metodologia divina. Isto não deveria impedir nossa aceitação dos caminhos do Senhor. O livro de Jó foi escrito para ilustrar a dimensão sobre-humana dos métodos do Senhor, quando nos disciplina para nos abençoar. Caos, acaso e azar não são da Bíblia. Os desígnios divinos são.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

As 3 peneiras ou crivos

Certa feita, um homem esbaforido aproximou-se do grande filósofo e sussurrou-lhe aos ouvidos:

- Escuta, Sócrates... na condição de teu amigo, tenho alguma coisa muito grave para dizer-te, em particular...

- Espera!... - Ajuntou o sábio prudente. Já passaste o que vais me dizer pelas três peneiras?

- Três peneiras? - Perguntou o visitante, espantado.

- Sim, meu caro amigo, três peneiras.

Observemos se tua confidência passou por eles.

- O primeiro, é a peneira da verdade. Guardas absoluta certeza quanto àquilo que pretendes comunicar?

- Bem... - ponderou o interlocutor - assegurar mesmo, não posso... mas ouvi dizer e então...

- Exato. Decerto peneiraste o assunto pela segunda peneira, a da bondade. Ainda que não seja real o que julgas saber, será pelo menos bom o que me queres contar?

Hesitando, o homem replicou:
- Isso não... muito pelo contrário...

- Ah! - tomou o sábio - então recorramos a terceira peneira, a da necessidade, e notemos o proveito do que tanto te aflige.

- Necessário?!... - perguntou o visitante ainda agitado - Necessário não é...

- Bem - conclui o filósofo num sorriso - se o que tens a confiar não é verdadeiro, nem bom e nem necessário, esqueçamos o problema e não te preocupes com ele, já que nada valem casos sem edificação para nós!...

Verdade que liberta

Quero compartilhar com vocês uma coisa que me prendeu por muito tempo. Me deixou triste e temerosa por alguns meses, mas no fim deu tudo certo. Quando eu frequentava a igreja, eu gostava demais. Era prazeroso encontrar os irmãos e ouvir a Palavra de Deus. Mas depois de um tempo a sensação que tinha era a de que eu estava indo por obrigação. Fui perdendo a alegria que sentia quando comecei a ir. Fui me consumindo em dúvidas, e isso me desesperava. Começei a ver que as flores que perfumavam a igreja no ínicio, foi se transformando em duros espinhos que estavam me machucando. Eu literalmente fui metralhada com inúmeras obrigações e normas, tantas quantas eram possíveis. Começei a questionar e nunca me davam uma resposta concreta ou sincera. Decidi, por fim, estudar e buscar por mim mesma. Sofri muito, não conseguia dormir, por causa de meus questionamentos. Eu sentia que minha língua ardia feito fogo, para gritar o que eu não entendia. Mas eu era muito nova e inesperiente. Em vez de avançar, estacionei. Parei de perguntar.
Mas Deus é paciente. Eu não.

Mergulhei de cabeça em estudar a Palavra. E quanto mais eu estudava, masi eu aprendia e via o verdadeiro conceito de Liberdade. Eu entendi as palavras de cristo, quando Ele disse: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. " ( João 8:32).

Entendi que a igreja falha quando tenta ir além do que está escrito. E muitas vezes nem os próprios membros conhecem de verdade a Bíblia. Quando eu comentava que estava estudando, me diziam que estudar demais nos deixa loucos, e que a Bíblia é um livro para ser aceito e não entendido. Nossa! Essas palavras me doeram o coração. Como sou muito impulsiva, sai da igreja, sem dar nenhuma explicação. Simplesmente num belo dia resolvi não ir mais. Alguns irmãos até hoje me viram a cara quando passam por mim. O que eles fazem não me interessa, o que me importa é saber que Deus me ajudou muito, no momento em que mais eu precisei. A Palavra de Deus queimava em meu coração, fazia meus olhas brilharem de desejo de buscá-lo mais e mais. e hoje eu sou um mulher muito bem resolvida e amadurecida.

Hoje, grito que Cristo me libertou. Não me prendo a igrejas, pessoas, lugares, denominações. Me prendo somente em Cristo. Sou uma cativa em liberdade, lutando em prol daquEle que me salvou. E creio que todos nós podemos ser libertos de qualquer coisa ou pessoa, se realmente estivermos com os olhos fixos no Rei dos reis e Senhor dos senhores.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

O poder das atitudes

Provérbios 20:11 - ¶ Até a criança se dará a conhecer pelas suas ações, se a sua obra é pura e reta.

Sua vida não é conhecida pelos seus discursos. Suas belas pregações, seu jeito doce de falar, seu talento vocal para alcançar as mais belas notas e acordes decididamente não dizem nada a seu respeito. É a sua forma de viver que determina quem você é.

Como tem sido sua vida? Tem existido amor em seu coração? Tem sido sincero e honesto com o seu próximo? Suas ações revelam a pessoa de Cristo em você ou os traços do velho homem que você deveria ter renunciado no momento em que recebeu a Jesus em seu coração?

Até uma criança é conhecida pelas atitudes. E o Pai quer nos ensinar a nos aprofundarmos em seu amor para vivermos uma vida que faça toda a diferença neste mundo que perece!

sábado, 23 de janeiro de 2010

Paul Washer - Cristãos radicais

Este vídeo é muito bom, a gente se acomada, e não percebe que no fundo não estamos fazendo nada. VAMOS REAGIR PESSOAL!!!